Versículo do Dia

terça-feira, setembro 27, 2011

Seria Cômico se não fosse trágico...


Assisti uma reportagem muito interessante e impactante na TV no domingo, na rede Record e, realmente, fiquei impressionado, impactado. Me emocionei assistindo a reportagem.

A reportagem mostrava a vida escrava e desumana do povo de Cerro Rico, na Bolívia, conformados e anestesiados com a situação a qual se encontram. Eles sobrevivem da exploração (migalhas) da prata nas montanhas de Potosí, mais conhecida como o vale da morte ou a montanha que devora homens.

A matéria é emocionante e bateu aquele aperto no coração de ver a situação daquele povo que parece sofrer de uma maldição que passa de geração a geração, que tanto podem morrer engolidos pela montanha ou morrem vítimas de uma doênça, consequências da vida da exploração.

Você pode conferir a matéria na íntegra através do link abaixo:

Você pode também ler o relato pessoal da repórter através do link abaixo, é realmente muito interessante:

No final da matéria, emocionada, a repórter diz a seguinte frase: "Alguém tem que fazer alguma coisa por esse povo... Nós tínhamos o caminho de volta. Ao sair pela última vez da montanha, ao enxergar a luz no fim do túnel você entende exatamente o que isso significa. Ter ou não ter a tal luz no fim do túnel. Eles ainda não têm. Nós caminhamos em silêncio. O Pablo nos acompanhou até o lado de fora, exausto. As câmeras já estavam desligadas. Já tínhamos gravado tudo que precisávamos. Vou guardar pra sempre o olhar daquele homem ao se despedir, agradecendo nosso trabalho"


Emocionante, tocante e concordo plenamente, algo precisa ser feito, mas o que é irônico e muito trágico, é que, ao final da reportagem, foi anunciado o comercial do reality show "A Fazenda", que confina celebridades em um local com uma certa mordomia para entreter os telespectadores e que dará 2 milhões de reais (!) para uma pessoa que "sobreviver a vida dura do confinamento". 

Dar 2 milhões de reais para uma pessoa que, se comparada a pessoas normais (nem vou comparar com o povo de Potosí) nem precisaria desse dinheiro todo... é muito pra minha cabeça.

Agora, imaginem se esses 2 milhões fossem destinados a esse povo sofrido de Potosí? Ou se esse valor fosse para obras sociais para outros povos sofridos, para crianças carentes, para amenisar a fome e a pobreza de tantos e em tantos outros cantos desse mundão?

Essa é a, se não me engano, a terceira edição desse reality show "A Fazenda", ou seja, já deu muita grana pra gente que, se comparada a outras pessoas, não precisariam.

Ah, e pasmem, essa mesma emissora que mostra em uma reportagem o sofrimento de um povo por falta de recursos financeiros/sociais e ao mesmo tempo dá 2 milhões de reais para uma única pessoa, essa emissora pertence a um "servo de Deus"... 

Uns recebem R$400,00 para ficarem confinados nesse lugar (imagem abaixo), e as vezes, não chegam a sair com vida daí....
 

já outros...

Podem receber até R$ 2 milhões para ficarem confinados nesse lugar (imagem abaixo), e saem daí com mais fama do que entraram...

 

Isso é o que eu chamo de irônia...

Fontes:
http://www.r7.com 

sexta-feira, setembro 09, 2011

Mensagem... 
Crônicas do Trânsito

Se você que lê esse texto é céptico ou ainda desacredita na existência de Deus é porque provavelmente não dirigi ou dirigi apenas em ruas de uma cidadezinha tranqüila do interior de algum estado! (risos)

Brincadeiras à parte, é no trânsito nosso de cada dia que vejo o quanto Deus nos protege.

A cada dia que passa, a cada geração que nasce, o ser humano parece estar mais ansioso, mais estressado, mais apressado. É tudo muito descartável, tudo tem que ser tudo muito rápido e robótico. O imediatismo toma conta das nossas vidas a ponto de nos escravizar e perdemos a noção do próximo, perdemos a noção de sermos seres humanos, nascidos para se relacionar, racionais, emotivos e complexos.

Isso se traduz na nossa realidade moderna, como também reflete em todas as áreas da nossa vida. E parece que no trânsito, esse "mal" parece ser potencializado e, claro, TOLERÂNCIA ZERO.

É incrível, as pessoas se transformam quando estão ao volante ou "pilotando" uma motocicleta. A tensão de estar dirigindo (que já é normal) aflora o ego das pessoas, potencializando aquilo que é mal na gente (isso não é uma regra, mas confesso que raramente vejo o contrário e quando vejo, sempre me deixa impressionado).

Digo por mim, não estou isento desse mal por muitas vezes. Minha vida ao volante mudou muito e aumentou muito. Antes era de casa para o trabalho e do trabalho pra casa, sempre fugindo do trânsito da "grande maçã" que são os centros das cidades. Mas isso mudou, agora é de casa para o trabalho e vice versa, de casa pra faculdade e vice versa, de casa para o supermercado e vice versa... enfim, tudo é carro, tudo é motorizado. Quem quer perder tempo andando de coletivo (que parece que parou no tempo)? A "sociedade moderna" quase que nos obriga a viver dessa forma!!

Percebi que eu estava "passando para o lado negro da força" no trânsito. Minha personalidade já é ansiosa por natureza, mas o trânsito começou a me deixar mais tenso do que já sou naturalmente.

Motivos não nos faltam para tal, passarmos de cordeirinhos para leões no trânsito nosso de cada dia. Existe cada “figura”!!

São os “Pilotos Solitários” que parecem que estão sozinhos no trânsito ou simplesmente ignoram a existência de outros "pilotos" ao seu lado. Resultado: muitas fechadas.

Têm os distraídos, vulgo “Pilotos no Mundo da Lua”, que de vez em quando, esquecem de DAR A PREFERENCIA, principalmente em rotatórias (que são muitas em minha cidade). Para essa “espécie”, itens como setas e espelhos retrovisores são meros detalhes estéticos do carro.

Ah, e por falar em rotatórias, deveria ser proibido esse tipo de solução!! Isso é sinônimo de caos!!! E só por isso minha cidade deve ser a campeã em rotatórias. Não tem como seguir uma lógica quando se está em uma rotatória, ou seja, é orar a Deus e deixar acontecer!!! E é sempre nelas que aparecem os "Pilotos solitários" (aqueles que se esquecem que não estão sozinhos no trânsito) e os "Pilotos no Mundo da Lua", mas nas rotatórias aparecem também os  "Pilotos Tudo Posso!". Essa espécie é daquelas que, basta dar seta (isso quando dá) e sair fechando. Eles têm o poder de sair de uma ponta da pista e ir para outra em um piscar de olhos, e aí daquele que se sentir "usurpado"!

Existem os futuros "Pilotos de F1" (eles treinam em pleno trânsito, deve ser porque a F1 proibiu treinos, só pode). Eles já se sentem pilotos profissionais, só esqueceram que não somos seus oponentes e que ruas e avenidas não são pistas de provas, só isso. Eles são estressados e apressados, mal conseguem ficar 1 segundo sequer atrás de alguém mais lento que já "põe de lado" e te olha com um olhar do tipo: "PQP, que cara lerdo... tá pensando que é domingo, deve estar passeando".

Têm os clones de "Velozes e Furiosos", e o nome expressa exatamente o que são, ou seja, velozes e furiosos. Esses não são menos perigosos que os "Pilotos de F1", e isso fica pior se o "piloto" em questão for um "bancado pelo papai" (vulgo playboyzinho). Com seu som auto, seus carros rebaixados e tunados, eles são os reis. Por isso tenha cuidado, tentar "peitar" um desses é sinônimo de briga feia (ás vezes, infelizmente, sinônimo de obituário).

Mas o pior de todos, talvez seja mesmo os "motoqueiros" (eu disse motoqueiro e não motociclistas). Comunidade símbolo de união, mas também pode ser o símbolo máximo de “PERIGO”. Você já parou pra pensar que, para a maioria das pessoas, o conceito de moto é sinônimo de liberdade (diga-se sem regras). Uma pessoa que normalmente compra uma moto é porque quer mais agilidade no trânsito, mais rapidez e menos gasto. Ou seja, desculpe, na grande maioria, é a forma mais eficiente de quebrar regras e promover o caos no trânsito. Pelo código brasileiro de trânsito, ultrapassagens só pela esquerda, mas para eles... bom, pula essa parte. Pelo código brasileiro de trânsito, é proibido trafegar entre carros (vulgo corredores), mas não existem motoqueiros sem corredores. Não há regras para eles, eles te passam pela direita, pela esquerda, pelo canteiro (se tivessem propulsores, voariam por cima de você), enfim, são apressados e muito furiosos! Não adianta reclamar, acostume-se, você sempre será o errado na história. Imagine você, querendo seguir a regras, você tenta dar a esquerda para um motoqueiro passar, mas como eles são rápidos e apressados, aquela imagem que você tinha dele lá atrás, já foi, e quando você vai dar sua esquerda para ele, ele já está na sua direita... resumindo, “tóme fechada”!!

Claro que, pra quem "sobrevive" em cidade grande, isso tudo é muito maior, mais intenso e, com certeza, novos personagens surgem.

Confesso que boa parte dos personagens citados aqui, não só eu, mas todos nós temos um pouco (senão todos... e se esse for seu caso, meu amigo, vai se tratar, porque desse jeito, você não passa dos 50 anos e olhe lá!!).

E eu não falei ainda das rodovias. As raras vezes que tenho que pegar estrada eu fico tão tenso que chego a ter dor de cabeça!! Ninguém respeita mais limite de velocidade!!! Ônibus rodoviários rodando bem acima da velocidade permitida, caminhoneiros "turbinados" babando para chegarem o mais rápido possível em seu destino, praticamente passam por cima daqueles que tentam respeitar o limite de velocidade!! Imagine você, todo certinho, rodando dentro do limite de velocidade, numa pista de 2 faixas. Você está na faixa da direita, e você olha no retrovisor e vê um monstro, um trem sobre rodas chegando rápido. Quando menos você espera lá está ele, tomou conta do seu supervisor. Você olha no velocímetro e vê que sua velocidade já está no limite, ou seja, você já está a 110km/h! Mas o monstro está mais rápido que você, com luzes ascendendo freneticamente, você pensa "Ele vai me engolir!!!!". Então você dá passagem e passa para a faixa da esquerda. Mas você mal se livrou do monstro de muitas rodas e agora, como que de repente, aparece no seu retrovisor outro desafio, um carro preto, importado, piscando o farol mesmo antes de poder te ver direito, nitidamente nervoso por estar sendo "freado" por um "débil" motorista (esse débil motorista é você...). E o que fazer? O que você faz? Do seu lado direito está o monstro de muitas rodas, furioso, grande, pesado, rápido e perigoso. Atrás de você está praticamente um "Tazmania" sobre rodas, importado, novo, rápido, furioso e louco para passar por cima de você.

Diante dessa situação, você tem basicamente 2 opções: Entra no canteiro central e deixa os loucos passarem (opção praticamente inviável, e claro, proibida, eu reconheço, mas não deixa de ser uma opção nessas horas de aperto), ou você acelera seu "Milzinho" o quando pode (ou o quanto ele agüenta), desrespeita o limite de velocidade da rodovia, tenta rodar mais rápido que o monstro de muitas rodas (e esse já ultrapassou seu limite de velocidade faz tempo...) para poder passá-lo para, então, dar passagem para o carro preto furioso com cara de mau que esta atrás de você.

É, realmente não sei onde isso vai parar. Na verdade, sabemos muito bem onde isso vai parar, quer dizer, vai parar, sempre pára quando alguém morre, mais uma vítima desse trânsito de pessoas sem responsabilidades.

Thiago, mas o que isso tem a ver, por que você está dizendo isso?

No trânsito eu vejo o quanto Deus é zeloso, o quanto Deus nos guarda, nos protege. É cada situação que você passa que a única coisa que te vem à mente é: "É Deus, é Deus que livra!!". Eu sempre digo pra minha esposa quando estou no trânsito: "Deus é tão bom, mas tão bom!!! E ainda bem que eu não sou Deus!!" (rs...).

Particularmente, depois de ler um livro chamado "Em seus passos o que faria Jesus" (logo posto algo sobre o livro, pois é muito bom), comecei a mudar minhas atitudes no trânsito. Com certeza, aquilo que somos (ou a maioria é) no trânsito, não reflete Jesus Cristo.

Parei de reclamar (ou diminui minhas reclamações ao volante), isso porque no volante, eu viro um crítico de mão cheia!

Passei a prestar mais atenção nas dificuldades do "piloto próximo", ou seja, passei a dar mais passagem, parar para pedestres passarem. Adotei mais o estilo "se quiser passa, que passe por cima", ou seja, não andar mais depressa só por que o apressadinho atrás está "babando" pra passar. Assim que der, eu dou passagem e aí sim, fique a vontade para passar.

Ah, e não retrucar (vulgo "bater boca no trânsito"). Ou seja, se eu estiver errado, "me desculpe" e bola pra frente, e se tiver certo, me desculpe também e bola pra frente. Tente imaginar Jesus Cristo batendo boca em pelo trânsito... sem chance né.

Tentar entender mais o outro lado, pois somos pessoas passíveis de erros. Não cobrar muito de mim mesmo e muito menos do próximo. A gente erra às vezes, é normal, a gente esquece às vezes, normal. Quem nunca esqueceu uma lombada e passou batido? Quem nunca esqueceu das regras de uma rotatória e passou reto ao invés de dar a preferência... como diz um chefe aqui do trabalho, "Paciência...". Claro, se você faz isso tudo com freqüência, vai uma dica: Vai se tratar, muito provavelmente você está tendo problemas ou está dando problemas para os outros!!

Enfim, estou tentando, está dando resultados e isso é bom, principalmente pra mim que pretendo viver mais do que apenas 50 anos. Confesso que, às vezes, volto a ser o que era antes, mas continuo tentando.

Traduzindo, Paciência, tolerância, respeito e noção de vida são palavras chaves que precisamos trabalhar e ter mais. Com certeza, isso reflete Cristo, não só no trânsito, mas em nossas vidas.

E você? Tem alguma história pra contar vivida em trânsito? O que você tem feito para mudar? Poste, compartilhe!